Como fazer seu pé-de-meia (planejamento financeiro) para sair de vez da prostituição [por Bruna Surfistinha]

O primeiro cliente a gente nunca esquece. Espero que o seu tenha deixado boas lembranças como o meu me causou. 

Ele quis conversar mais do que fazer sexo. Tive sorte porque eu estava extremamente nervosa, não queria demonstrar minha falta de experiência, mas ele logo notou que havia algo de estranho porque não consegui disfarçar minha falta de jeito para lidar com um homem que nunca tinha visto na vida. 

Precisei confessar que era o meu primeiro cliente e ao contrário que imaginei, ele me acolheu. E deu bons conselhos. 

Depois que ele compreendeu o que eu estava fazendo ali me prostituindo e me prometeu que não contaria para ninguém que eu era menor de idade, veio aquela pergunta “tapa na cara”:

“Quanto de dinheiro você precisa para realizar seus sonhos e sair da prostituição o quanto antes?”

Eu não soube responder. Meu único sonho naquele momento era ter liberdade para se dona das minhas próprias escolhas, sem dar satisfação para ninguém. Mas esta pergunta ficou na minha cabeça e logo veio uma reflexão: eu precisava ter metas para não me prostituir em vão ou perder tempo. Já sabia que não seria por muito tempo e no primeiro dia decidi que ficaria na prostituição o quanto menos tempo pudesse. 

No filme baseado na minha vida, mostra a cena de quando fiz minha última meta antes de parar de fazer programa, foi para concluir meu pé-de-meia e conseguir ficar tranquila por alguns meses. 

E assim, hoje resolvi discutir sobre este tema. Vou compartilhar minha experiência, apontando erros que cometi e me arrependi, os acertos. 

Enfim, quero te ajudar a fazer teu própria pé-de-meia e conseguir guardar a quantia que você precisa para realizar seus sonhos

Guardando dinheiro no “cofrinho” no fundo do armário

Nos primeiros dois meses foi muito difícil guardar dinheiro, pois eu não tinha conta no banco. Além de ter 17 anos, não tinha como comprovar residência nem renda. Naquela época, em 2002, a burocracia para abrir uma conta era maior, tanto que de todas as garotas que trabalhavam comigo no privê, a maioria não tinha. 

Para a nossa sorte, no final daquele ano, um cliente gerente do banco mais próximo de onde estávamos, que se tornou um anjo para nós, e estava em busca de bater a meta mensal que bancos exigem, abriu conta para todas que precisavam, ele deu um jeitinho de não comprovar nada de ninguém. Foi nosso auge!

Eu já estava cansada de juntar minhas economias em uma caixinha bem escondida no fundo do meu armário, mas quando falo em economia, era a mínima possível. Até ter uma conta, não consegui juntar nem R$500,00. 

Primeiro erro: gastar com roupas e coisas desnecessárias

O meu primeiro erro que me arrependi, foi ter gastado muito dinheiro com peças de roupas e coisas desnecessárias. Como nós não podíamos sair do privê para ir ao shopping nem lugar nenhum (com exceção de farmácia e padaria), então seria fácil guardar dinheiro se não existissem as vendedoras de porta em porta, ou melhor, de puteiro em puteiro. 

Sim, eram muitas que vendiam tudo o que você pode imaginar: todos os tipos de roupas, perfumes, catálogos de cosméticos, doces, produtos eróticos, etc. Recebíamos pelo menos duas vendedoras por dia. E elas tinham muita lábia para empurrar tudo. Algumas iam embora com as sacolas vazias. 

Eu gastei demais com todas vendedoras porque o fato de estar presa num privê sem poder sair, provocou meu lado consumista e era uma maneira de preencher um vazio dentro de mim: “Mereço me presentear depois de ter cheirado um saco tão fedido”. Este foi meu primeiro erro. 

E diariamente, parte do que eu ganhava ia embora com elas. Comprei muitas coisas sem necessidade. Tinha mais de dez calças jeans sendo que não as usava para trabalhar e quase não tive oportunidade para usá-las. 

hlAQakpuENOyoqaXXOWRedop8FKRDimFkuBBshLZTypcKEu3tRIXcou8DPyXb6WKBfdzp5mb 5l07cusxZjb4FJLdqLqoQoDoPdcQEQBLurmkQahlRhTmaprBhVAzNkWmQhE 0pk 1

Segundo erro: comprar do bom e do melhor

Meu segundo erro foi quando decidi comprar meu primeiro celular, achei que merecia o melhor da época. Ainda bem que não existia iPhone, mas mesmo assim, quis me presentear com aquele que considerei como o melhor e que custava quase mil reais. Num dia de folga, fui até o shopping com boa parte da minha economia na carteira, comprei o celular à vista. 

Ainda sobrou um tanto e resolvi comprar um discman que foi meu companheiro na prostituição, também passei na loja de cds e acabei de torrar tudo com minhas bandas preferidas da época. Uma compra totalmente desnecessária, poderia ter esperado mais, afinal quase não tinha tempo para ouvir música trabalhando num privê. 

Terceiro erro: consumir drogas

Meu terceiro erro foi quando comecei a me drogar. Para quem não sabe, fiz da cocaína minha válvula de escape por mais de um ano. Comprava do mesmo “fornecedor” que vendia para as outras garotas. 

Era cocaína pura, o que significa ser mais cara. Cada pacotinho custava R$20 sendo que comprava de estoque. Meus pedidos nunca eram menos de R$ 200,00, e este foi o meu maior arrependimento porque além de ter quase morrido, nem quero imaginar o total de dinheiro que gastei enquanto fui viciada.  

O início do planejamento financeiro

Morando no privê eu não tinha preocupação de pagar aluguel, luz, contas básicas para sobreviver, nem mesmo alimentação, pois a cafetina levava uma compra gigante de alimentos todas as segundas-feiras que matava nossa fome tranquilamente por uma semana. 

Pagávamos tudo isso de maneira indireta, pois ela ficava com 60% do valor do programa de todas as garotas, na época o programa custava R$100,00. 

Demorei muito tempo para fazer uma planejamento financeiro, foi apenas quando comecei a atender os clientes no flat.

Então se você ainda não fez um planejamento seu, faça o quanto antes puder. Quando a gente para de fazer programa, a ficha cai do quanto poderíamos ter guardado mais dinheiro, mas gastamos com tantas besteiras sem necessidade. 

5NkiL6f4WoleohYlnuywzUgKW2BuofzZQC 6wR4RrUyJmTfI pMfiLMfqY67 inVvlOnPGSaY2pzj7olAfu LfRreE3V xOFRVnZlY Ik4oOVa44cEIV 9J8AI zaJYYfPGJ0hG 3

Pagando as próprias contas e cortando o luxo

Já atendendo os clientes no flat, meu faturamento se tornou maior porque não precisava dar porcentagem para nenhum cafetão. No entanto, me deparei pela primeira vez com preocupações de adultos: boletos, despesas, uma vida financeira para gerenciar, além de querer guardar dinheiro já pensando em minha aposentadoria.

Acho importante dizer que até me mudar para o tão sonhado apartamento e local próprio, precisei planejar muito bem porque sem conseguir provar a renda para a imobiliária, precisei deixar caução de 3 meses. 

Para conseguir juntar o quanto precisava, não foi fácil. Cortei todos os custos possíveis, todos meus luxos. Foram 2 meses com muito foco. Nessa época, estava trabalhando em outro privê, o programa custava R$80,00, mas continuava ganhando R$40,00 que estava acostumada. Nesse lugar, a cafetina não bancava nossa alimentação, então era cada uma por si. Como eu precisava juntar mais de três mil reais para pagar o caução e o primeiro aluguel, eu abri mão de muitas coisas. Precisava focar em minhas prioridades.

Enquanto as outras garotas compravam diariamente marmita num restaurante próximo para almoçar, eu preferia comprar minha própria alimentação no mercado e me virava como conseguia, foi a época que mais comi miojo na vida. 

Parei de ir ao salão de beleza, aprendi a cuidar das minhas unhas sem precisar de manicure e a fazer minha própria escova no cabelo. Detalhe: nesta época, trabalhava praticamente ao lado do shopping Ibirapuera, era uma tentação porque a cafetina era mais boazinha e nos liberava quando o movimento estava fraco de clientes para irmos ao shopping. Eu preferia não ir. 

Quando alguma vendedora nos visitava, eu aprendi a dizer “não” por melhor que fosse a lábia dela. Não comprei nada para mim até conseguir juntar o que queria. 

A primeira conquista

Foi a primeira vez que consegui realizar um sonho, nunca vou me esquecer da felicidade que senti quando peguei a chave do primeiro apartamento que morei. Eu sentei no sofá e chorei de soluçar, mas de felicidade e orgulho por ter conseguido tal conquista. Não foi fácil, mas quando guardamos dinheiro e realizamos um sonho, é a melhor sensação.  

Na primeira noite no flat, sentei e anotei no caderno quais seriam minhas despesas dali em diante: aluguel, lavanderia, gás, água, luz, mercado, internet e qual era meu próximo planejamento: comprar um computador. 

Comecei a gostar de fazer planos e batalhar pelos meus objetivos! 

Até sentir como seria a nova vida financeira com faturamento maior sem cafetão, mas com despesas novas que eu não precisava me preocupar antes, continuei poupando o máximo que conseguia. 

Mais planejamento financeiro

Me permitia pequenos luxos do tipo ir ao shopping, mas sem fazer grandes compras. Estipulei que eu podia gastar apenas 10% do que ganhava, era o salário que eu dava para mim mesma. Merecia mais? Sim. Mas estava focada nas metas! 

Meu programa no flat custava R$150,00, significava então que eu tinha R$15 em cada para gastar comigo sem culpa. Paralelamente, comecei a fazer uma poupança onde guardava 10% também de todo meu faturamento. 

E assim, aos poucos, fui conquistando meus objetivos: comprei computador, coloquei silicone nos seios, mudei para um flat melhor, pude ter um bicho de estimação que eu tanto queria, tirava os finais de semana de folga e ia para a praia uma vez por mês. Enfim, quando conseguimos planejar tudo e com determinação, conseguimos realizar o que queremos. 

Quando ia ao shopping, antes de comprar qualquer coisa, me perguntava: “é isso mesmo que eu quero?” e lembrava do quanto foi difícil ter aquele dinheiro, acabava sempre pensando nos clientes mais chatos de propósito

Investindo na paz de espírito e saúde emocional

No último ano na prostituição, resolvi alugar um outro flat. Fiquei bancando dois, um para atender os clientes e outro para morar. Foi na época que eu estava no meu auge já com a notoriedade do blog. 

Como pude inflacionar meu cachê e tinha muito mais clientes do que antes, meu faturamento aumentou. Mesmo assim, me arrependo por ter tido esta atitude que na época foi necessária porque comecei a me sentir mal em ficar 24hs dentro do mesmo apartamento

Eu já estava cansada e querendo me aposentar, queria ter um canto apenas para mim, uma cama apenas minha principalmente. Eram em prédios e bairros diferentes, então ainda tinha a despesa de táxi para ir e voltar para casa, mas tudo bem. Ao mesmo tempo que considero ter aumentado minha despesa mensal, acabei “comprando” uma paz que precisava naquele momento. 

Quando coloquei silicone nos seios, além de pagar a cirurgia à vista até mesmo porque o desconto valeu a pena, fiquei mais de um mês sem fazer programa, aproveitei para tirar férias. Nessa época ainda não era conhecida, então precisei fazer um bom planejamento também antes.  

Do caderno de anotações para a planilha de Excel: a última meta!

E por fim, quando iniciei 2005 decidida que seria o último ano e me aposentaria finalmente da prostituição. Dessa vez não mais fazendo anotações no caderno, mas numa planilha no Microsoft Excel, anotei quais seriam minhas despesas por 6 meses, tempo suficiente para descansar e redefinir a vida. Nessa época, eu não tinha noção que meu primeiro livro publicado seria um sucesso de vendas, então não podia contar com tal faturamento após parar de fazer programa.

oFl3nssSKNk7Yxh2iASrehn GeS2lGlTzvGIWM2dXOakBPhqTecEHGlNTwtcwmmvy8jQokXcj28FMwwgMBZ q9T7SlAHMHG TSDmGqH0r6NuCkH4PqzwwZhi4neS 5

Fiquei mais de 3 horas fazendo cálculos, tirando despesas, incluindo outras, até que defini minha planilha que salvei como “meu pé-de-meia”. Quando vi o valor total que precisava, dividi pelo valor do meu programa que nesta época era R$250. Cheguei então no número que seria a quantidade de programas que eu precisava fazer para atingir o valor que queria, arredondei para 500 programas

Anotei no vidro da sala a numeração de 1 a 500 e ia marcando com um X cada número referente a um programa que eu conseguia guardar o valor inteiro na poupança.  

Foi o único planejamento que não fui até o fim. Em junho, comecei a namorar e morar junto com meu ex-marido, com quem fiquei casada por dez anos. No dia 27 de outubro, um dia antes do meu aniversário de 20 anos, tomei a maior decisão da minha vida. 

Quando meu ex chegou em casa, entreguei para ele o chip do número que usava para atender os clientes, pedi para jogar fora porque dali em diante eu seria apenas dele. Decidi parar faltando 103 programas para bater minha meta, mas tudo bem, pois eu não aguentava mais e me aposentei bem no meu auge, quando eu estava explodindo na mídia por causa do blog. Entretanto, estava amando um homem que merecia que eu parasse de fazer programa antes do que havia planejado para mim. 

Como fazer o seu pé-de-meia para se aposentar

E com toda minha experiência com erros e acertos, vou listar as dicas para você conquistar seu pé-de-meia: 

1. Estipule uma meta financeira

A mesma pergunta que ouvi do meu primeiro cliente, faço para você pensar, refletir e responder para si:

 “Quanto de dinheiro você precisa para realizar seus sonhos e sair da prostituição o quanto antes?”

Liste num caderno, planilha ou onde quiser, quais são estes sonhos e estipule um valor um pouco acima do que pode ser que precise (é melhor sobrar do que faltar!). Por exemplo: 

Dar entrada num apartamento próprio: R$100.000 

Colocar silicone: R$10.000

Investir num negócio próprio: R$30.000

Realizar um curso: R$5.000 

TCdrMpVQPV7SZDhHM6bXpX3jMxlICmtNtNw5MjmFiu9X18SOjRmPLgBPa6 7

Exemplo do cáculo da sua meta financeira

2. Calcule suas despesas mensais

Faça uma lista de todas suas despesas mensais, desde as obrigações para sobreviver até gastos com lazer.

EDi9SrEq0L8N tvKhqSU2njKovfeZOFir69 VfspzODy2IoI V2FkTrv8aIS0OIEmNbFTdp8VOrmAbx5GPHxnDEzB01pb  lOPN 1eGRDd 3GC PP 6zDZu3fgiUnItNpHB D6q5 9

Exemplo do cálculo de despesas mensais

Pense quais são estas despesas que você pode cortar ou diminuir o valor.

3. Separe uma parte da sua receita para gastar sem culpa

A cada programa separe uma porcentagem mínima para você gastar sem culpa como eu fiz comigo na época. Garanto que é a melhor coisa. A vida também não é apenas trabalhar, pagar boletos e guardar dinheiro para realizar sonhos. Você precisa e merece ter seus momentos para se presentear com mimos, mas com moderação, afinal, foque em suas metas. 

4. Decida qual tipo de meta funciona melhor para você

Reflita sobre um prazo do tipo: “em três anos preciso guardar X cachês de programas” ou se é melhor focar apenas em uma quantidade fixa de programas por mês, sem se preocupar com o tempo. Faça um planejamento que seja melhor para você, sem colocar muita pressão para não ficar ansiosa. 

Digo isso porque na minha última meta para o pé-de-meia, eu fiquei extremamente ansiosa porque queria atingir logo minha meta, e em vários dias a crise de ansiedade me fez mal. Determinei para mim um número muito alto em pouco tempo (apenas um ano). 

Foi uma autocobrança muito grande, mas como estava decidida, segui. Mas deveria ter feito isso desde que abri uma conta no banco. Ir jogando na poupança nem que fosse o valor de um programa por mês. 

Para facilitar sua vida, fizemos uma planilha no Google Sheets chamada “Meu pé-de-meia” que você pode apenas preencher os números para calcular quantos programas, ou quantos meses você vai ficar na profissão.

Para acessar a planilha pelo celular, instale o aplicativo Google Sheets e acesse o link abaixo. Se estiver acessando pelo, é só acessar o link abaixo.
Méu pé-de-meia

  1. No menu, clique em Arquivo e Fazer uma cópia.
  2. Digite um nome e escolha onde você quer salvar o arquivo.
  3. Clique em OK.

Quantos programas?

Lembre-se de preencher as Metas e Despesas Mensais na planilha. Para calcular quantos programas você precisa para se aposentar, preencha os campos:

  • Cachê por programa
  • Anos na profissão – tempo que pretende ficar trabalhando como garota de programa
18W1JbPA2tMfamaBUbs6k7MERhzrfkf9KRNTP6Lu xYJMKlhiVhndRdbf7ZdT21EazA l F  wSfv9RmhuZ6HRSRwJ0KyMfi6QZpIIFx7qn8egLo69Sh6Yii vXaRao XW8692 11

Exemplo do cálculo do número de programas total para se aposentar

A planilha também vai calcular os 10% de gastos mensais que você pode ter sem culpa, mas lembre que esse número não é fixo. Ou seja, no mês que você ganhou menos, você vai gastar menos também. Gaste no máximo 10% de tudo que você ganhou no mês!

Quantos meses?

Outra maneira de fazer o planejamento financeiro é estipular um número fixo de programas que você faz por mês, e calcular quantos meses faltam para você se aposentar. Para fazer este cálculo, use a segunda aba da planilha chamada “Meses”.

hIrI2g3eJxQExWmxo8N7okgOP5u73aHMdkJOhOxYAXRgzUIjFNlCzkw8crfgpIvjxLQsAfBAycUNLeXX6B0YJhMfnBWdpVF4Oaz4wi2aDtS11jUzXFN9O32cUX3AKsn  gjpdFg9 13

Agora preencha:

  • Número de programas por mês
  • Cachê por programa

Desta forma, você tem que se comprometer em atingir aquele número de programas que está na sua meta todos os meses. A planilha vai calcular automaticamente 

15

Exemplo do cálculo do número de meses para se aposentar

A planilha também vai calcular 10% da sua receita mensal para que você possa gastar sem culpa.

Se vocês tiverem qualquer dúvida em como preencher a planilha, deixem nos comentários abaixo que a equipe do Paradise Girl vai respondê-las.

Dica para se manter motivada!

A técnica que usei de anotar os números no vidro da janela me ajudou bastante, mas se você não quiser ou puder fazer isso, faça uma tabela nem que seja no computador e imprima, mas deixe visível em algum lugar que você veja toda hora. Quando a gente olha para números da nossa meta, nos dá força para continuar! 

Quando puder, faça uma previdência social para garantir o futuro

Eu comecei fazendo assim que abri minha conta, comecei deixando R$100,00 por mês e fui aumentando aos poucos enquanto pude. Como são meses/anos de trabalho sem garantia nenhuma e sem registro, é importante pensar numa previdência para ter uma renda garantida quando estiver mais velha. Depois da prostituição, nunca trabalhei também registrada, então poupar um valor mensal no mês para a previdência é importante. 

Muita força à vocês

Eu desejo que você realize todos seus sonhos e que pare de fazer programa o quanto antes quiser caso este seja um dos seus objetivos. 

Sei que neste momento de isolamento social, não está fácil ter um controle financeiro da maneira ideal, mas acredite em você como eu acredito mesmo sem te conhecer: você conseguirá bater todas suas metas! 

Um beijo da Bruna Surfistinha.

AssinaturaBruna 17

Compartilhe esse post:

Artigos relacionados:

Como lidar com relacionamentos (família, amigos e amores) sendo garota de programa [por Bruna Surfistinha]
Como fazer seu pé-de-meia (planejamento financeiro) para sair de vez da prostituição [por Bruna Surfistinha]
10 estratégias de marketing pessoal – Desenvolvendo sua marca como Garota de Programa
Como cuidar da saúde física e mental, além dos cuidados com COVID-19, por Bruna Surfistinha
Bruna Surfistinha
Bruna Surfistinha
Raquel Pacheco, mais conhecida como Bruna Surfistinha começou no mundo da prostituição em 2002, onde ficou até 2005. Se tornou conhecida nacionalmente a partir da criação de um blog contando suas aventuras sexuais durante os programas. O blog a inspirou a escrever o livro "O Doce Veneno do Escorpião" que é até hoje um dos maiores best sellers do Brasil. Publicou ainda mais 2 livros, foi finalista do reality show A Fazenda, tem um filme homônimo baseado em sua vida, protagonizado por Deborah Secco e ainda uma série ficcional da FOX/GloboPlay com 4 temporadas. Nunca teve vergonha de assumir seu passado e tem orgulho de chegar onde está hoje.

2 respostas para “Como fazer seu pé-de-meia (planejamento financeiro) para sair de vez da prostituição [por Bruna Surfistinha]”

  1. Sandra disse:

    Muito bom, seu artigo!

Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *