Red Light District – Os bairros da luz vermelha em Amsterdã e Hamburgo

Que tal conhecer um pouco sobre dois maiores locais quando o assunto é prostituição profissionalizada?

Um conjunto de ruas repletas de garotas de programa e outras atividades envolvendo o entretenimento adulto, tudo isso dentro da lei, lá na Europa. Dá só uma conferida!

O que é Red Light District?

Os centros que comandam a vida noturna nas cidades de Amsterdã (Holanda) e Hamburgo (Alemanha) compartilham do mesmo nome popular: Red Light District, ou bairro da luz vermelha.

Seja em filmes ou reportagens, quem nunca viu aquele famoso local onde mulheres dançam seminuas em vitrines, rodeadas de letreiros convidativos? Pois bem, é disso que estamos tratando!

Em resumo, ambos os bairros funcionam como uma espécie de agregador de entretenimento adulto, como puteiros, peepshows e strip-clubs, reunindo diversos estabelecimentos do ramo.

Estes locais são tão únicos e famosos que hoje se tornaram pontos turísticos. Isso mesmo, você não precisa estar atrás de um programa para visitar estes lugares. Só lembre-se que em mulheres nem sempre serão bem vindas dentro dos bordéis e outras atrações.

Para exemplificar um pouco melhor, separamos o vídeo a seguir, feito com uma câmera escondida. Porém, gostaríamos de deixar bem claro que não recomendamos tal ato, pois os turistas, moradores e garotas que trabalham no local não curtem essa exposição!

O que fazer no bairro da luz vermelha?

Independente do país escolhido, há muito para fazer nos bairros com relação ao entretenimento adulto. A cada passo dado, você encontrará facilmente uma das seguintes opções:

Bordéis

Normalmente possuem vitrines para a rua, onde as garotas de programa podem se exibir e tentar conquistar algum cliente. Gostando do que viu, basta entrar, combinar o programa e mandar ver. 

DICA PRO #1: ao combinar o programa, deixe sempre bem claro que você está querendo penetrar, e não somente receber um sexo oral, para que a garota não dê uma de malandrinha e tente cobrar a mais pela penetração depois

1FugPOOAtj0DEMILmxYeu3suex13UMbovOEXlorWJi489l53fI 1

Peepshows

Local onde você paga, em uma cabine de moedas, para assistir ao show de uma determinada garota, seja ele somente erótico ou pornográfico. Vale ressaltar que não há qualquer contato com a menina. Ou seja, nada mais é do que você pagar para assistir um strip-tease.

Sex shops

As clássicas lojas repletas de brinquedinhos eróticos, porém com uma variedade de produtos impressionante. Em um local como esse, é como colocar queijo na toca do rato.

Outras opções

Em Amsterdam, caso você curta um programinha mais “tranquilo”, ainda rola visitar o Museu da Prostituição e o Museu Erótico, além do popular Museu da Maconha e do Haxixe. Pode acabar sendo um experiência bem interessante!

Quanto custa as garotas de programa do Red Light District

O preço médio dos programas com 20 minutos de duração é de EUR 50. O valor acaba variando bastante dependendo da localização da garota. Nas ruas principais e mais movimentadas, por exemplo você encontrará garotas bem mais caras do que nas ruas laterais e menos movimentadas, que abrigam acompanhantes baratas

Tudo deve ser conversado antes de entrar na sala da garota: tempo, valores e atividades realizadas. Na sequência, você paga e recebe o serviço combinado. Caso a garota se sinta insegura, como o cliente insistir em transar sem camisinha ou qualquer serviço que não foi combinado, há uma espécie de botão de emergência para que a menina chame os seguranças do local.

Ao contrário do que muitos poderiam pensar, tudo ocorre de modo bem organizado, seguro para ambos os lados e bem profissional, como podemos ver.

Como é o Red Light District de Amsterdã

No ano de 1894, um artigo do jornal The Sentinel, publicado na cidade de Milwaukee (EUA), utilizou o termo Red Light District para se referir ao local na capital holandesa. Foi a partir daí que toda fama surgiu.

De Wallen, o verdadeiro nome do bairro, é basicamente o coração da vida noturna da cidade, reunindo os mais variados estabelecimentos, e claro, muita diversão para a macharada de plantão.

São dezenas de grupos realizando diariamente passeios guiados na região, além é claro do pessoal que vai por conta própria e aqueles que por ali trabalham. Não espere, em momento algum, ver as ruas do local vazias!

Mesmo com toda essa fama e o turismo em alta, existem planos envolvendo fechar as vitrines. Então, se eu fosse você já programava a viagem o mais rápido possível, só para garantir!

DICA PRO #2: segundo esse artigo da Super Interessante, janelas que usam a luz azul pertencem às transexuais.

Como é o Red Light District de Hamburgo

A semelhança com o bairro acima, fez com que o bairro St. Pauli também ganhasse a alcunha de “luz vermelha”. Chegando lá, procure pela Reeperbahn que não tem erro!

No passado, seu o porto recebia marinheiros, que após meses navegando, buscavam um pouco de diversão. Hoje em dia o local é um dos maiores pontos turísticos da cidade e atrai diversos turistas, em sua grande maioria homens, claro! Vale inclusive repassar um detalhe importante: no Red Light District de Hamburgo, mulheres não são bem vindas. As garotas de programa se sentem ofendidas e muito provavelmente vão tacar copos de bebida na primeira que aparecer!

DICA PRO #3: viu alguma mulher na rua com uma pochete? Sinal de que ela é uma garota de programa!

O que NÃO FAZER no Red Light District

  • Tirar foto das garotas na vitrines, afinal, elas estão ali a trabalho, e não para aparecer em um Instagram qualquer. Seguranças locais não serão receptivos.
  • Andar distraído, uma vez que ruas repletas de bêbados e casas de entretenimento adulto são um local e tanto para batedores de carteira.
  • Comprar algo nas ruas, independente se drogas ou uma camiseta qualquer. Existem avisos nas ruas informando que o ato é considerado criminoso. Então, opte sempre pelas lojas legalizadas.
  • Perder o controle, já que a polícia, assim como em qualquer outro bairro, estará a postos para intervir. Há inclusive um sistema de câmeras de segurança espalhadas pelas ruas, rondas frequentes e até mesmo inspeções nas próprias vitrines.

Conclusão

Agora você já conhece um pouco da história, além de estar por dentro do que rola em dois excelentes destinos para aqueles que pretendem viajar para curtir como se não houvesse amanhã, com mulheres, bebidas e o que der na telha!

Aproveita e nos conta aí nos comentários qual a sua próxima viagem programada para a curtição! Ah, vale também aquele que ainda não saiu do papel, porém um dia vingará, haha!

Compartilhe esse post:

Artigos relacionados:

Como é e quanto custa o Casarão e outros puteiros da Augusta
Como é e quanto custa o Bokarra e o Sex Night, as melhores boates e stripclubs de Floripa
Primeira vez no puteiro: tudo que você precisa saber
Lista completa de casas de swing e baladas liberais de São Paulo
JP
JP
Nascido em meados da década de 90, escreve para sites e blogs desde 2009, abordando temáticas variadas da forma mais autêntica possível. Amante de música eletrônica, vida noturna e, o elemento não pertencente ao conjunto, cultura nerd.

Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *